O que são as instalações-piloto?

As instalações-piloto são infraestruturas de investigação e demonstração, de livre acesso, que fornecem um amplo espetro de equipamentos de ponta, assim como os conhecimentos necessários para apoiar os produtos e as tecnologias inovadoras, desde o laboratório até uma escala pré-comercial.
Inicialmente, a produção-piloto foi definida, exclusivamente, pelas infraestruturas físicas e pelos equipamentos necessários para a produção de protótipos ou pequenas séries de produtos pré-comerciais. No entanto, a produção-piloto depende não só do equipamento indexado ao desenvolvimento de novos produtos (linha-piloto), como também de outras atividades – estudos de mercado, engenharia para otimização dos processos, reorganização interna da empresa, relações externas com parceiros ao longo da cadeia de valor.
Todos esses fatores são decisivos para o desenvolvimento de novos negócios.

O que é uma Rede de Inovação?

Uma “Rede de Inovação” (RI/IH) é um ecossistema através do qual qualquer empresa pode ter acesso à informação, experiência e tecnologia mais recente, com o objetivo de testar e experimentar os seus produtos inovadores antes de os lançar no mercado.

Uma “Rede de Inovação” também promove o contacto com os investidores, facilitando às empresas o acesso ao financiamento necessário para o desenvolvimento dos seus negócios; e aproxima os fornecedores e utilizadores de produtos inovadores ao longo da cadeia de valor.

A mais-valia das Redes de Inovação reside na integração de uma ou várias plantas-piloto que, organizadas numa rede, fornecem às empresas informações e equipamentos, como laboratórios, infraestruturas e linhas-piloto. De notar que as Redes de Inovação facilitam também a conexão com outras redes na cadeia de inovação.

Uma vez que um só núcleo não consegue gerir várias áreas de atividade, é necessário estabelecer canais e redes entre os Centros de Inovação com experiência complementar e instalações-piloto para fornecer um ponto de partida para empresas que, assim, têm acesso a parceiros estratégicos que podem apoiar as suas atividades inovadoras, como investidores, assessores jurídicos e especialistas em desenvolvimento de negócios.

Quando posso candidatar-me ao Programa NOURISH?

As inscrições encontram-se abertas e as fases de avaliação estão marcadas para 31 de outubro e 19 de fevereiro de 2019.

Quem se pode candidatar ao programa NOURISH?

PME, start-ups, grandes empresas industriais, investidores privados e outros intervenientes estabelecidos em Portugal.

O que é necessário para me candidatar ao programa NOURISH?

O candidato deve apresentar um projeto que inclua conceitos baseados em nanotecnologia e com aplicação orientada para o mercado.
Serão valorizados os projetos que demonstrem viabilidade em escala laboratorial (mínimo TRL 4).

O que acontece depois de enviar a candidatura?

Haverá uma sessão de avaliação após cada fase e em cada data as candidaturas submetidas serão agrupadas, avaliadas e classificadas.
Os resultados da avaliação estarão disponíveis imediatamente após o processo de seleção.

Quantos projetos serão selecionados?

Serão selecionados até quatro projetos.

Quais são os benefícios do Programa? (Qual é o prémio?)

Os quatro projetos vencedores terão direito a um prémio composto por:

(a) Orientação e suporte em termos de design, requisitos técnicos e questões legais relacionadas com a certificação de produtos e direitos de propriedade intelectual;
(b) Uma contribuição em género de sessenta mil euros (60 000) para utilizar nos serviços de prototipagem rápida necessários à implementação do Projeto. Esta prototipagem terá de ser executada no prazo máximo de seis meses após a atribuição do prémio;
(c) Acesso à Rede Europeia de Instalações Piloto, beneficiando de todas as vantagens de fazer parte de um mercado integrado para instalações de produção-piloto e redes de inovação.